Demos as mãos, na certeza
De que as dávamos amando
Mas, ai aquela tristeza
Que há sempre, neste “até quando”

~ António Botto [Meu Amor na despedida]

|The Yellow Lisbon Tram, Lisbon, Portugal| 

Leave a Comment

%d bloggers like this: